Contato com Civilizações Extraterrestres -Diário do Almirante Byrd

O Diário do Almirante Byrd

No relato que veremos a seguir, divulgado por diversas fontes e atribuído ao suposto Byrd, afirma que uma raça intraterrena, mas de origem extraterrestre, teria transferido tecnologia para os alemães ‘subantárticos’, promovendo um enorme avanço e permitindo ampliar a noção que eles tinham do nosso mundo e de como a humanidade se desenvolveu na Terra.

“Escrevo este diário em absoluto segredo me referindo ao meu voo no Ártico do dia 19 de fevereiro de 1947, virá uma época onde a racionalidade do homem se dissolverá em nada e então deverá ser aceita a inevitabilidade da verdade. Eu não tenho a liberdade de divulgar este documento e talvez ele nunca chegue ao conhecimento de todos, mas, de qualquer forma devo fazer o meu dever de relatar com a esperança de que um dia todos possam viver em um mundo onde o egoísmo e a avareza de certos homens já não poderão esconder a verdade.

A bússola magnética, assim como a bússola giroscópica começaram a oscilar e girar, não conseguimos mais manter a rota e nos guiar tendo por base nossos instrumentos de navegação. Os controles estão lentos na resposta e no funcionamento, a princípio pensei ser sinais de congelamento, depois vi que estava equivocado e não existia motivos aparentes para tal acontecimento.

Passados 29 minutos de voo desde as primeiras montanhas avistadas, posso dizer que não se trata de uma alucinação, posso avistar uma pequena cadeia de montanhas da qual até então eu ainda não possuía conhecimento.

Depois das montanhas existe algo que parece ser um Vale com um pequeno rio ou riacho que corre até a parte central. Não deveria haver nenhum vale verde aqui, Existe algo decididamente estranho e anormal, deveríamos estar passando somente por gelo e neve. A minha esquerda existe um grande bosque junto aos montes e os nossos instrumentos continuam a girar.

Mudo minha altitude para 1400 pés e efetuo um giro completo a esquerda para examinar melhor o Vale que está abaixo. É verde e a luz aqui parece diferente, porém, não podemos ver o sol, dou outro giro a esquerda e posso ver um animal de grande porte que se parecia a um elefante, melhor dizendo, um Mamute, é incrível! Descemos até 1000 pés e com um prismático busco examinar melhor o animal de forma visual e posso confirmar que sim, se trata de um animal semelhante a um Mamute.

Mais à frente nós encontramos outros bosques verdes, o indicador de temperatura exterior nos mostra -24 C e agora seguimos em nossa rota porque os instrumentos já parecem normais, fiquei mais uma vez surpreso, tentei contatar a Base, mas o rádio não funcionou.

Quando a paisagem parecia nivelada e normal diante de nós, avistamos o que parecia uma cidade e ficamos perplexos, isso seria impossível! O avião parece estar mais ligeiro e estranhamente flutuante, os controles já não respondem mais.

Volto a dizer que não alucino, existem estranhas aeronaves sobrevoando ao nosso lado e quando se aproximam algo irradia delas. Estão muito próximos e aproveito para ver suas insígnias, sem sucesso, posso comprovar que se trata de um símbolo estranho, uma suástica nazista, mas não se trata de um exercito ou civilização conhecida. Onde estamos? O que aconteceu?”.

Imagens de satélite do Google Earth mostram o que seriam entradas em montanhas distintas na Antártida,
elas se localizam sob as coordenadas 66 33′ 11.58″s e 99 50′ 17.86″. A cavidade da primeira imagem possui
122 metros de largura por 55 de altura, permitindo a passagem de um helicóptero ou outra aeronave.

Discos voadores nazistas

Segundo Byrd, as estranhas aeronaves assemelhavam-se com o suposto disco voador “alemão”, chamado Haunebul, que teria sido concebido por engenheiros de Hitler alguns anos antes da Segunda Guerra e possuíam grande diferenciação de voo, se comparados às aeronaves convencionais.

Ele prossegue seu relato, “Tento controlar nossa aeronave, mas meus esforços são em vão, ela parece se manter sozinha como se acompanhasse esses estranhos aparatos voadores que nos acompanham.

Nosso rádio começou a funcionar de surpresa e para nosso espanto nos chegou uma mensagem em inglês que parece possuir um acento Nórdico.

A mensagem é essa: ‘Bem vindos ao nosso território, Almirante, o faremos pousar exatamente dentro de sete minutos podem relaxar porque todos vocês estão em boas mãos’. Os motores do nosso avião foram desligados, mesmo assim continuamos a seguir uma rota inteligente e o avião parece estar sob controle de algo. Recebemos outra mensagem de radio: ‘Estamos iniciando a manobra de pouso, em breve o avião começará ligeiramente a tremer começando a descer como se estivesse suspenso por um enorme invisível elevador’.

Alguns homens estão se aproximando do avião, eles são altos e possuem cabelos loiros. Ao longe existe uma cidade com cores muito vibrantes. Não sei o que aconteceu, mas, não vejo armas nas mãos destes que se aproximam, agora escuto uma voz que me ordena pelo nome que eu abra a porta.

Deste ponto em diante escreverei os acontecimentos que seguem, buscando-os na memória, isto tudo pareceria uma loucura se de fato eu não estivesse vivendo.

Eu e meu companheiro saímos do avião e fomos acolhidos cordialmente. Logo embarcamos sobre um pequeno meio de transporte semelhante a uma plataforma, o único detalhe é que não havia rodas. Eles nos conduziram até a cidade da qual mencionei antes. Enquanto nos aproximávamos, a cidade parecia ser feita de cristal, em pouco tempo alcançamos o que para nós chamaríamos de edifício, ele era diferente de qualquer outro que eu já havia visto.

Me foi oferecido um tipo de bebida quente da qual eu nunca havia tomado e era muito saborosa. Depois de uns 10 minutos dois deles vieram até nosso alojamento e nos convidaram cordialmente a segui-los, logicamente, não havia alternativa e o fizemos. Caminhamos até entrar no que parecia um elevador e descemos, por alguns instantes, ele parou e a porta subiu. Seguimos por um largo corredor iluminado por uma luz rosa que parecia emanar das paredes. Um dos seres nos fez sinal para pararmos diante de uma das portas. Acima da mesma havia uma inscrição que eu não consegui compreender, a porta deslizou sem ruídos e fui convidado a entrar.

Um dos anfitriões disse: ‘Não tenha medo Almirante, irá conversar com o professor’.

Meus pensamentos foram interrompidos por uma voz cálida e melodiosa: Te dou as boas vindas ao nosso território, Almirante.

Vi um homem com feições delicadas e os sinais da idade caiam sobre seu rosto. Estava sentado em uma grande mesa e me convidou a sentar. Após eu ter me sentado ele uniu as pontas dos dedos e sorriu, falou de forma Cordial: ‘Te deixamos entrar aqui porque o senhor é de caráter nobre e bem conhecido no mundo da superfície Almirante’. Quando ele disse mundo da superfície quase desmaiei.

‘Sim – disse o Professor com um sorriso -, o senhor se encontra no território dos Arianos, o mundo submergido da terra. Não atrasaremos muito a sua missão e serão acompanhados novamente até à superfície sem perigo, como já foi dito, o senhor esta em boas mãos’.

‘Agora, Almirante, lhe direi o motivo de sua convocação aqui em nosso mundo. Os nossos interesses começaram logo após a explosão da primeira bomba atômica por parte da vossa raça sobre Hiroshima e Nagashaki no Japão. Esse momento foi inquietante quando mandamos para o mundo de vocês nossos meios voadores: Os Flugelrads para investigar sobre o que vocês haviam feito. Logicamente isso é historia e já se passou’.

‘Almirante, permita-me seguir. Veja, nós, nunca antes de agora havíamos interferido nas guerras e na barbaridade humana, mas, agora devemos fazê-lo até que saibam manipular este tipo de energia atômica. Nossos mensageiros entregaram mensagens a todas as potências do vosso mundo e nenhuma delas nos atendeu. Agora você foi escolhido para ser testemunha de que o nosso mundo existe, Almirante. Veja nossa cultura e ciência, que estão milhões de anos a frente da de vocês, Almirante’.

Eu o interrompi por um momento: ‘Mas o que isto tem a ver comigo, senhor?’. Os olhos do professor pareciam penetrar de forma profunda em minha mente e depois de ter me estudado por um momento ele respondeu: ‘Vossa raça alcançou um ponto de não retorno, porque existem alguns entre vocês que destruíram todo o vosso planeta antes de renunciar ao poder’.

Permiti e o professor continuou: ‘Desde 1945 estamos tentando entrar em contato com vossa raça, mas, nossos esforços têm sido acolhidos com demasiada hostilidade, vocês atiraram em nossas aeronaves, nossas aeronaves foram perseguidas com maldade pelos seus aviões e combate. Agora existe uma grande tempestade no horizonte para o mundo de vocês, um véu negro que se estenderá por diversos anos. Não haverá defesa em suas armas e tão pouca segurança na vossa ciência, cada flor do mundo de vocês será pisoteada e todo o planeta entrará em um caos. As recentes guerras não são nada do que está por vir à vossa raça, nós, aqui, podemos vê-lo mais claro a cada hora. O senhor acredita que estou equivocado?’.

Eu não respondi, já havia acontecido uma vez no passado. ‘Chegarão anos escuros e durarão 500 anos’.

‘Sim meu filho’ – replicou o “Professor”. ‘Os anos escuros que chegarão à vossa raça cobrirão a terra como um véu mortal, mas nós acreditamos que muitos de vocês sobreviverão à tempestade, mas, não sei mais que isso. Nós vemos um futuro emergir novamente na ruína de vossa raça, um mundo novo em busca de seus lendários tesouros perdidos e estes estarão aqui, meu filho, seguros em nosso poder. Quando chegar o momento, ajudaremos à vossa raça a sobreviver, quem sabe assim, o seu povo aprenderá a inutilidade das guerras e batalhas que tanto assolam o lindo planeta de vocês? Neste momento, uma parte da vossa cultura e ciência será reconstruída para que vocês possam recomeçar. Você deve voltar à superfície com essa mensagem’.

Com essas palavras, o nosso encontro parecia ter chegado ao fim, tudo parecia um sonho para mim, mas eu precisava ter em mente que aquilo era real e em momento algum, eu me alucinara. Novamente os anfitriões pediram para que eu os seguisse.

Girei uma vez antes de sair para ver o chamado “Professor” e um doce sorriso discreto estava no rosto do ancião. Ele me disse: ‘Adeus, meu filho’ e me fez um sinal com suas mãos, num gesto de paz e nosso encontro havia chegado ao fim. Saímos rapidamente e entramos novamente no elevador, fomos silenciosamente até à superfície.

Um dos anfitriões nos disse: Agora devem voltar com essa mensagem, não se esqueçam.

Eu não disse nada, estava atônito, alcançamos nosso avião os motores estavam ligados e embarcamos, quando a porta se fechou fomos deslocados a uma velocidade muito alta até uma altura de 2.700 pés, acredito que seja a mesma força que nos auxiliou no pouso da aeronave. Depois, duas aeronaves deles nos conduziram a uma velocidade muito alta, mas os nossos indicadores não marcavam nada, e logo mandaram uma mensagem que dizia: ‘Agora os deixaremos, seus controles estão livres, Wiedersehen!’.

Olhamos por alguns instantes aquelas máquinas voadoras que logo sumiram no horizonte. Estávamos silenciosos e pensativos naquele acontecimento insólito e mergulhamos em silêncio em nossos próprios pensamentos. Sobrevoamos novamente extensões de gelo e neve a uns 27 minutos da Base, enviamos uma mensagem de rádio e nos responderam. Estávamos com condições normais e a Base ficou aliviada porque estabelecemos novamente contato. Pousei suavemente na Base, eu sabia que tinha uma missão a cumprir.

Era 11 de março de 1947. Tive apenas uma reunião e encontro com o Estado Maior do Pentágono, relatei inteiramente o descobrimento e a mensagem do “Professor”. Tudo foi devidamente registrado. Fiquei durante algumas horas em observação exatamente por 6h39, fui cuidadosamente interrogado pela força de segurança máxima e por uma equipe médica que, a todo instante, me avaliava rigorosamente. Foi um tormento. Fiquei sendo controlado por todos os vastos meios de segurança Nacional dos Estados Unidos da América. Sempre me diziam que eu era um militar e devia obedecer às ordens.

Último Relatório: 30 de dezembro de 1956. Nesses últimos anos passados desde 1947 até hoje não foram bons. Coloco aqui minhas últimas anotações e posso afirmar que mantive o secreto desses acontecimentos durante todos esses anos. Fiz isso contra o meu próprio princípio de integridade, mas, agora sinto aproximar-se a grande noite e esse secreto não morrerá comigo, quero que a verdade triunfe.

Essa é a única esperança para a raça humana, eu vi a verdade e essa revigorizou o meu espírito dando-me a liberdade! Fiz o meu dever com relação ao monstruoso complexo industrial militar. A noite se aproxima, mas, haverá um epílogo. Como a longa noite no Antártico termina, assim, o sol brilhante da verdade surgirá de novo e aqueles que pertencem às trevas perecerão a sua luz. Eu vi aquelas terras depois do polo, aquele enorme lugar desconhecido”.

Neste artigo publicamos somente parte da reportagem, se você quiser mais informações sobre expedições na Antártida em busca de Civilizações Antigas, Cidades Nazistas Intraterrenas e vida extra e intraterrena visite Ufo Via/Via Fanzine e veja toda a matéria.

Anúncios

Sobre Flávio Miguel Awake

PROJETO DESPERTATR 1111 -Projeto que visa auxiliar no despertar da consciência espiritual individual e coletiva, e na transição para uma nova era de luz. FLÁVIO MIGUEL AWAKE - Artes - Exposição de arte digital espiritual.
Esse post foi publicado em Artigos de Interesse, Artigos Recentes e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s